Follow by Email

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

“Enquanto meus braços não são capazes de te alcançar, contento-me com a certeza de que estamos sob o mesmo céu…”



“Dentro de mim guardo sempre teu rosto e sei que por escolha ou fatalidade, não importa, estamos tão enredados que seria impossível recuar para não ir até o fim e o fundo disso que nunca vivi antes, e talvez tenha inventado apenas para me distrair nesses dias onde aparentemente nada acontece, e tenha inventado quem sabe em ti um brinquedo semelhante ao meu, para que não passem tão desertas as manhãs e as tardes buscando motivos para os sustos e as insônias e as inúteis esperas ardentes e loucas invenções noturnas.”

Caio F. Abreu

Nenhum comentário:

Postar um comentário