Follow by Email

segunda-feira, 14 de maio de 2012

“Enquanto meus braços não são capazes de te alcançar, contento-me com a certeza de que estamos sob o mesmo céu.”


    É ultimamente os dias estão extremamente entediantes. Eu procuro cá e lá, mas não tem nada de proveitoso para se fazer. E pra piorar a situação, as horas demoram a passar. Eu não vou ousar dizer que é um inferno, pois eu tenho certeza que o inferno seria bem pior do que isso. Mas então, nesses meus dias de tédio, onde eu deito e tento ouvir os meus próprios pensamentos, me aparece aquele pequeno rastro de cabelos loiros. Poxa, é ele novamente, invadindo o meu mundo e dando fim a qualquer coisa que esteja acontecendo naquele exato momento. Aí minha mente parece se transportar para outra dimensão. E tudo vira ao contrário.  O tédio vai embora e dá lugar a coisas que devem ser feitas ao mesmo tempo, e olhe que não são poucas. Aquela confusão que se forma dentro de mim, me faz querer voltar pro meu tédio, mas depois de alguns segundos, eu vejo que não. Eu gosto mesmo é dessa inquietação  que ele me causa. Dessa certeza de nada, da bagunça que fica a minha mente quando ele está por perto. E sinto que ele faz isso de propósito, mas e daí? Eu aceito sabe, e me faz bem de uma forma bem distorcida. Acontece que se não fosse por ele, não haveria emoção na minha vida. E por mais louco que seja eu gosto de gostar das sensações de loucura que ele me traz. Eu posso chamar isso de amor. Mas às vezes é tão mais forte do que isso. Enfim, eu não sei. Mas eu gosto dele, do modo como ele fala, anda, canta, sorri... Porra, eu gosto de tudo nele.


Nenhum comentário:

Postar um comentário