Follow by Email

sábado, 18 de fevereiro de 2012

"Vontade maldita de te beijar e sentir seu cheiro."



"- Alô?

- Oi, sou eu. O que foi aquilo?

- Aquilo o quê?
- Não desconversa. Quando acordei já não estavas mais.
- (…)

- Eu disse que precisava de você pra dar o nó na minha gravata.

- Meio cedo pra essas dependências. Esta situação não me deixa confortável. Mas como foi?

- Foi fácil atar o nó da gravata perto da missão que é desatar teu coração.

- Falo da reunião.

- Não quero falar de trabalho. Quero falar de nós dois. Quero falar de amor.

- “Amor”. Eu não gosto de dar nome às coisas.

- Tenho pena do teu siamês então. Os outros gatos devem rir do fucinho dele nos encontros de telhado e lua cheia.

- (Risos)
- Viu? Eu te faço rir. Nós separados, o tempo passa lento, rápido, agonizando, depende do dia. Nós juntos, o tempo passeia. Somos ótimos. Deixa eu entrar na tua vida de vez, vai. O resto a gente vê depois.

- Eu não estou acostumada a ter alguém me mimando. Na verdade não sei exatamente o que é isso que está acontecendo.

- O mundo te convenceu que não existe isso que eu quero te dar. Errei?
- Acertou. Os outros caras fizeram esse trabalho.

- Não sou os outros caras. Sou eu, com toda redundância. E ter perdido algumas vezes não a faz uma mulher menor. Quem fechou seu corpo foi você, eles só sugeriram que o fizesse. Você obedeceu calada. E daí se você não está acostumada a ser amada? Eu também não estava habituado a comer alimentos sólidos quando nasci, mas encarei. A vida é isso, encarar as coisas que acontecem. Sem fugir.
- Não quero me machucar.

- Você quer evitar os medos para evitar a dor? Nem Pitágoras entende essa matemática. O resultado é uma vida sem riscos então. Isso? Adrenalina pura.

- Clichê.

- Mas serve pra nós dois.
- Quando eu disse que já sabia onde isso daria, não queria estar no controle da situação, só não queria assistir o mesmo filme de novo.

- Eu limpo teus lençóis sujos dessas paixões canalhas que você teve. Só precisa deixar meu amor abrir tua porta.
- Clichê, parte dois. Tá parecendo letra de pagode já.

- Sou capaz de tornar todos os clichês possíveis. É só lembrar que o amor é bem maior que qualquer outra coisa.

- Clichê, parte três. E o pior é que sei disso. É isso que me assusta. Isso me irrita em você, na verdade.

- Tá, você vai esperar eu me emputecer e ir embora pra me amar? Assim como todos seus amores anteriores? Muda o disco. Me perdoa se eu te fiz lembrar que a vida é doce.

- É sim. Só que eu sou diabética, acho.

- Me chama de insulina então. Tu me quer. Tu me adora que eu sei, não adianta dar voltas. Certo?

- Odeio quando tu tá certo. Odeio.

- Então me joga tuas tranças ou tua chave, “Rapunzel”.

- Quê?
- Tô na frente do teu prédio."

Gabito Nunes, Clichês Possíveis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário